sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Horror no cinema brasileiro

De 10 a 16 de fevereiro, a Cinemateca Brasileira e a Heco Produções promovem, uma retrospectiva do cinema de horror brasileiro. Ao longo do ano, em sessões mensais aos sábados, e com reprises durante a semana, serão apresentados títulos representativos de um gênero narrativo que dificilmente associamos à história de nosso cinema. Inédita em São Paulo, a mostra tem curadoria de Eugenio Puppo. Desconhecido do grande público e ainda timidamente estudado, o cinema de horror no Brasil tem na figura de Zé do Caixão, e nos filmes de José Mojica Marins, seu criador, sua mais famosa expressão artística. No entanto, segundo pesquisas recentes, a cinematografia brasileira vem flertando com a narrativa fantástica desde meados dos anos 1930 e 1940, momento em que certos diretores inserem elementos do gênero ao enredo de comédias musicais como O jovem tataravô (1936), de Lulu de Barros, ou Fantasma por acaso (1946), de Moacyr Fenelon. Já na década de 1950, produtores e cineastas paulistas influenciados pelo clássico de Hitchcock, Rebeca, a mulher inesquecível (1940) investem por sua vez na criação de melodramas sombrios, marcados por uma atmosfera sobrenatural e por fortes papéis femininos como Caiçara (1950), de Adolfo Celi, e Meu destino é pecar (1952), de Manuel Peluffo. Mas a primeira produção a se declarar abertamente um “filme de horror brasileiro” foi À meia-noite levarei sua alma, de José Mojica Marins, lançada em 1964. Nos anos seguintes, o gênero encontrará espaço para seu desenvolvimento em produções realizadas na Boca do Lixo, em São Paulo, combinando-se muitas vezes a outras formas narrativas como o policial, a ficção científica, a comédia erótica, o suspense e o pornô. No mês de abertura da mostra, serão exibidos três filmes representativos do horror brasileiro: O despertar da besta (1969), de José Mojica Marins, Ninfas diabólicas (1978), de John Doo, e O maníaco do parque (2002-2009), de Alex Prado. A primeira exibição dos três títulos será feita em sequência, na programação especial HORROR NA MADRUGADA, que acontece a partir da meia-noite de sexta, dia 10, para sábado, dia 11, com sessões às 00h00, 02h00 e 04h00. A Cinemateca Brasileira fica no Largo Senador Raul Cardoso, 207 (próxima ao Metrô Vila Mariana). Outras informações: 3512-6111 (ramal 215).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Educação e o mundo moderno - 9 e 10/8/2017

Em virtude do lançamento do livro "Hannah Arendt: a educação e o mundo moderno", organizado por José Sérgio Fonseca de Carvalho e...